Sie sind auf Seite 1von 49

ANÁLISE DAS

DEMONSTRAÇÕES
CONTÁBEIS

PROFESSOR BERNARDO BOTH


Conteúdo Programático
OBJETIVOS:
Analisar as Demonstrações
Contábeis para fins de
interpretação e avaliação das
situações financeiras e
econômicas.
Conteúdo Programático
1. A Empresa e sua estruturação de informações
2. Preparação das Demonstrações para Efeito de
Análise Análise Financeira
3. Análise através de índices
4. Análise Horizontal e Vertical
5. Análise de Rotatividade
6. Análise do Capital de Giro
7. Overtrading
8. Termômetro de Kanitz
9. Análise das Demais DC
10.Relatórios de Análise
11.EVA/MVA
Conteúdo Programático
1. BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
 IUDÍCIBUS, Sérgio e Outros. Manual de Contabilidade das
Sociedades por Ações. São Paulo: Atlas.
 MARION, José Carlos. Análise das Demonstrações Contábeis.
São Paulo: Atlas, 2002.
 _______. Contabilidade Empresarial. São Paulo: Atlas, 2000.
 MATARAZZO, Dante C. Análise Financeira de Balanços –
Abordagem Básica e Gerencial. São Paulo: Atlas, 1998.
 RIBEIRO, Osni Moura. Estrutura e Análise de Balanços
Fácil. São Paulo: Saraiva, 1997
 SCHRICKEL, Wolfgang K. Demonstrações Financeiras –
Abrindo a Caixa Preta. São Paulo: Atlas, 1999.
 Silva, José P. Análise Financeira de Balanços, São Paulo:
Atlas, 1998
Conteúdo Programático
1. METODOLOGIA APLICADA:
 Aulas Expositivas;
 Trabalhos em Laboratório, utilizando ferramentas como
DIVEXT, Excel e Análise Financeira de Balanços
 Trabalhos individuais ou em grupos, com apresentação dos
resultados dos trabalhos em relatórios e em seminários;

2. MÉTODO DE AVALIAÇÃO:
 Trabalhos individuais ou em grupos, com apresentação dos
resultados dos trabalhos em relatórios e em seminários;
 Provas Bimestrais
ANÁLISE DE BALANÇOS

1. Objetivos: transformar dados em


informações

Transformando Dados em Informações:


Fatos Demonstrações Técnicas Informações
Econômico- Processo Financeiras = de para a
Financeiros Contábil dados Análise Tomada de
Decisões
Financeira

CONTABILIDADE •Índices
•Compra •Análise V e H
•BP
•Análise Cap. Giro
•Vende •DRE •Alavancagem
•Financia •Doar Financeira
•DMPL, etc •Análise Prospectiva
•Produz
A EMPRESA E SUA ESTRUTURA DE
INFORMAÇÕES

• A função da empresa moderna é o de coordenar os


fatores de produção para obtenção de bens e
serviços destinados à satisfação das necessidades
das pessoas

FATORES DE PRODUÇÃO NECESSIDADES HUMANAS


•Recursos Naturais •Auto realização
•Estima
•O Trabalho
•Sociais
•O Capital •Segurança
•fisiológicas
A EMPRESA COMO UM SISTEMA ABERTO

Ambiente Remoto

Sociedade Cultura
Ambiente Próximo
Política Clientes Tecnologia
Entradas Processamento Saídas
Materiais Educação
Concorrentes Fornecedores
Equipamentos Produtos
Recursos Energia A Empresa Bens
Naturais Comunicação Pessoas Serviços
Informações Comunidades
Sindicatos Governo Legislação
Acionistas e Tributos
Clima
Demografia Economia
Sistemas de Informação Contábil
Sistema de Informações
Atividades de Operação Relatórios de Informações
Contábeis
da Empresa Gerenciais

•Integralização de Capital
•Compra de Matéria-Prima •Demonstrações
• Interpreta
•Pagamentos a Financeiras
Fornecedores, Empregados
e Governo •Calcula •Informações Fiscais
•Vendas de Produtos
•Classifica •Relatórios de Custos
•Recebimentos das Vendas
•Registra de Produção
•Compra de Equipamentos
•Financiamentos de Ativos • Dados para
Permanentes
•Processa
Orçamentos
•Diversas Outras Operações
USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO
CONTÁBIL
• Empresa internamente para:
– Planejamento, Organização, Controle , Coordenação e
Direção
• Acionistas, investidores e analistas
• Bancos e Instituições Financeiras
• Fornecedores e Clientes
• Governo e Órgãos Governamentais
• Sociedade (responsabilidade social da empresa)
• Funcionários, Sindicatos, etc.
ANÁLISE DE BALANÇOS

1. Objetivo: Extrair informações das Demonstrações


Contábeis para a tomada de decisões
2. A análise começa onde termina a Contabilidade
3. Linguagem descomplicada (para leigo entender)
4. O que incluir no relatório
a. Situação Financeira (BP)
b. Situação Econômica (DRE)
c. Desempenho
d. Eficiência na utilização dos Recursos
e. Pontos Fortes e Fracos
f. Porque a situação econômico-financeira alterou
g. Tendências e Perspectivas
h. Providências a serem tomadas
i. Tendências Futuras
ANÁLISE DE BALANÇOS

Metodologia de Análise

Diagnósticos
Escolha de Comparações com Decisões
ou
Indicadores padrões
Conclusões

Extraem- Comparam-se Conclui-se a Tomam-se as


se os com índices- partir da decisões a
índices padrão para comparação
partir das
das DC aquele ramo de índices x conclusões
atividade padrões
TÉCNICAS DE ANÁLISE

1. Análise através de índices


2. Análise vertical e horizontal
3. Análise do Capital de Giro
4. Análise de Rentabilidade
• Análise do ROI
• Análise de alavancagem financeira
5. Análise da DOAR e Fluxo de Caixa
6. Análise Prospectiva
O PROCESSO DE ANÁLISE DE BALANÇOS

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Exame e Padronização

Coleta de Dados

Cálculo dos Indicadores

Interpretação dos Quocientes

Análise Vertical e Análise Horizontal

Comparação com Padrões

Relatórios
PADRONIZAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

1. PASSOS A SEGUIR:
 Examinar detalhadamente as demonstrações;
 Transcrição das demonstrações para um modelo que atenda
às nossas necessidades de informação, objetivando obter:
 Simplificação
 Comparabilidade
 Adequação aos objetivos da análise
 Precisão nas classificações de contas
 Descoberta de erros
 Intimidade do analista com as demonstrações financeiras
da empresa.
USO DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DE BALANÇOS
PADRONIZAÇÃO DO BALANÇO PATRIMONIAL

ATIVO PASSIVO
Circulante Circulante
- Financeiro - Financeiro
- Disponível - Empréstimos Bancários
- Aplicações Financeiras - Duplicatas Descontadas
Sub-Total Sub-Total
- Operacional - Operacional
- Clientes - Fornecedores
- Estoques - Outras Obrigações
- Outros Sub-Total
Sub-Total Total do Passivo Circulante
Total do Ativo Circulante PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
REALIZÁVEL A LONGO PRAZO - Financiamentos
PERMANENTE - Empréstimos
- Investimentos TOTAL CAPITAL DE TERCEIROS
- Imobilizado PATRIMÔNIO LÍQUIDO
- Diferido - Capital e Reservas
Total do Permanente - Lucros Acumulados
Total do Patrimônio Líquido
TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO
PADRONIZAÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

RECEITA LÍQUIDA
( - ) Custo dos Produtos Vendidos
= Lucro Bruto
( - ) Despesas Operacionais
(+/-) Outras Receitas/Despesas Operacionais
= LUCRO OPERACIONAL (antes dos resultados financeiros)
( + ) Receitas Financeiras
( - ) Despesas Financeiras
= LUCRO OPERACIONAL
( +/- ) Resultado não Operacional
= LUCRO ANTES DO IR E CSSL
( +/- ) IR e CSSL
( = ) LUCRO LÍQUIDO
ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ATIVO PASSIVO

4 Circulante
5 0
Circulante 5
10 PELP 100
100 ARLP 5
5
4 0
PL
Permanente
0

ATIVO: Classificação em ordem de liquidez


PASSIVO: Classificação em ordem de vencimento das
exigibilidades
ANÁLISE ATRAVÉS DE ÍNDICES FINANCEIROS

• O QUE É: Índice é a relação entre contas ou grupo


de contas das Demonstrações Contábeis, que visa
evidenciar determinado aspecto da situação
econômica (BP x DRE) ou financeira (BP x BP)
de uma empresa. Sua finalidade principal é
fornecer visão ampla da situação econômica e
financeira da empresa.
• Os índices não podem ser tomados isoladamente.
É necessário, ao fazer a análise da empresa, levar
em consideração fatores como prestígio da
empresa, tipo de mercado atendido,
relacionamento com o mercado financeiro, etc.
ASPECTOS DA EMPRESA REVELADOS
PELOS ÍNDICES
• Os índices evidenciam aspectos da situação econômica e
financeira da empresa
• Situação Financeira (Análise do BP)
– Estrutura de Capitais
• Participação de Capitais de Terceiros
• Composição do Endividamento
• Imobilização do Patrimônio Líquido
• Imobilização dos Recursos não Correntes
– Liquidez
• Liquidez Geral
• Liquidez Corrente
• Liquidez Seca
ASPECTOS DA EMPRESA REVELADOS
PELOS ÍNDICES
• Situação Econômica (Relação DRE
x BP)
– Rentabilidade
• Giro do Ativo
• Margem Líquida
• Rentabilidade do Ativo
• Rentabilidade do PL
1)Quantidade
Análise do Capital de Giro
Q=(Cap. Terceiros)/(Passivo)
Ideal - até 60%
Brasil 54%

Situação
Endividamento
Financeira
1)BP
1)BP 2)DOAR( cap19)
2)DFC(cap18)
2) Qualidade
Liquidez:(cap21) Tripé
Decisões
PC/(Cap. Terceiros)
LC = AC/PC
LS = (AC-EST)/PC Ideal+Dívida L.P.
LG = (AC+RLP)/(PC+ELP)
Situação
Econômica

1)DRE>Du Pont
2)BP

Rentabilidade: Lucratividade:
Margem de Lucro - LL/V

Empresa - LL/Ativo
Empresário -LL/PL Produtividade:
Fonte: Marion, 2003
Giro Ativo=V/Ativo
R
O
Estrutura de Capital

LH
E
FÓRMULA 2000 2001 2002

M
(PC +
Participação de Capital PELP)/(Patrimônio
de Terceiros Líquido) ### ### #### <
Composição do
Endividamento PC/(PC + PELP) 49% 44% 60% <
Imobilização do AP/(Patrimônio
Patrimônio Líquido Líquido) ### ### 90% <
(ARLP +
Imobilização dos AP)/(Patrimônio
Recursos não Correntes Líquido + PELP) 68% 59% 87% <
Liquidez
(AC + ARLP)/(PC+
Liquidez Geral PELP) ## ## ### >
AC/PC
Liquidez Corrente ## ## ### >
(AC - Estoques) / PC
Liquidez Seca ## ## ### >
Rentabilidade

Giro do Ativo Vendas Líquidas / Ativo 61% 72% #### >


Lucro Líquido / Vendas
Margem Líquida Líquidas ### ### 2,8% >
Rentabilidade do Ativo Lucro Líquido / Ativo ### ### 3,4% >
Rentabilidade do Lucro Líquido /
Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido ### ### #### >
ESTRUTURA DE CAPITAIS
PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS OU
GRAU DE ENDIVIDAMENTO
Ano 1 Ano 2

60 65
Circulante Capital < Circulante Capital
Terceiros Terceiros
154% Melhor
183
40 Permanente 35
Permanente PL
PL

Para cada R$ 100 de Para cada R$ 100 de


Capital Próprio, tomou Capital Próprio, tomou
R$ 154 emprestados R$ 183emprestados

Fórmula: (Capital de Terceiros/Patrimônio Líquido)*100


ESTRUTURA DE CAPITAIS
COMPOSIÇÃO DO ENDIVIDAMENTO

Ano 1 Capital de Terceiros Ano 2

PC
PC 54
81
Longo Prazo
Circulante Longo Prazo Circulante 46
19

Patrimônio < Patrimônio


Permanente Líquido Permanente Líquido
Melhor

Fórmula: (Passivo Circulante/Capital de Terceiros)*100


ESTRUTURA DE CAPITAIS
IMOBILIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Capital Ano 1
Circulante Circulante
Líquido PC <
PELP Melhor

Capital
Patrimônio Circulante
Ativo Líquido Próprio
Capital Permanente 100
Circulante 71
Próprio

Fórmula: (Ativo Permanente/Patrimônio Líquido)*100


ESTRUTURA DE CAPITAIS
IMOBILIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Circulante
PC
Financiamen
to do Ativo PELP
Permanente
por Capitais
de Terceiros Insuficiência de
Ativo
Patrimônio Líquido ou
Permanente Patrimônio CCP Negativo
71 Líquido
100

CCP = Capital Circulante Próprio


ESTRUTURA DE CAPITAIS
IMOBILIZAÇÃO DOS RECURSOS NÃO CORRENTES
Ano 1

Circulante PC <
Correntes Melhor
Capital
Circulante
Líquido
PELP Recursos
Ativo não
PL Correntes
Permanente 100
71

Fórmula: [Ativo Permanente/(Patrimônio Líquido + Passivo Exigível


a Longo Prazo)]*100
ESTRUTURA DE CAPITAIS
IMOBILIZAÇÃO DOS RECURSOS NÃO CORRENTES
Ano 1
Circulante PC
Correntes
Capital
Circulante
Líquido PELP
Negativo
Ativo Recursos
Permanente não
PL Correntes
71 100

Fórmula: [Ativo Permanente/(Patrimônio Líquido + Passivo Exigível


a Longo Prazo)]*100
CCL Negativo
Ativo Circulante
$70 Passivo Circulante
$110
CCL = -$40

Exig. Longo Prazo


Ativo Permanente $40
$130
Patrimônio
Líquido
$50

A Empresa não possui recursos suficientes a Curto Prazo para saldar das suas
dívidas de curto prazo. Precisa contar com:
•Resultado positivo no exercício
•Alongamento do perfil da dívida (levar para Passivo Exigível a Longo Prazo)
•Capitalização (Chamada de Capital)
•Desimobilização (Venda de AP)
CCL Positivo
Passivo Circulante
Ativo Circulante $20
$35
CCL = $15 Exig. Longo Prazo
$30

Ativo Permanente Patrimônio


$65 Líquido
$50
ÍNDICES DE LIQUIDEZ - LIQUIDEZ GERAL

Passivo Circulante
Ativo Circulante 20 Capital Terceiros ou
+
Exig. Longo Prazo Exigível Total
ARLP
$ 45 15

Patrimônio CCP
Ativo Permanente Líquido
$ 40 $50
>
Melhor

•CCP Fórmula:(AC + ARLP) / (PC + PELP)


ÍNDICES DE LIQUIDEZ - LIQUIDEZ CORRENTE

Passivo Circulante
Ativo Circulante •CCL =
AC - PC

Exig. Longo Prazo


Patrimônio
Líquido >
Ativo Permanente $50
Melhor

Fórmula:AC / PC
ÍNDICES DE LIQUIDEZ - LIQUIDEZ SECA

Passivo Circulante
Ativo Circulante •CCL =
AC - PC

Exig. Longo Prazo


Patrimônio
Líquido >
Ativo Permanente $50
Melhor

Fórmula: (AC – Estoques) / PC


ÍNDICES DE RENTABILIDADE
GIRO DO ATIVO
Ano 1 Ano 2

Ativo Ativo Vendas


600 600 800
Vendas
1000

GA= 1,60
GA= 1,33
>
Melhor
Fórmula:Vendas Líquidas/ Ativo Total
ÍNDICES DE RENTABILIDADE
MARGEM LÍQUIDA
Ano 1 Ano 2

Ativo Ativo Vendas


600 600 800
Vendas
1000
LUCRO
20

ML = 5%
LUCRO ML = 25%
50 >
Melhor
Fórmula:Lucro Líquido / Receita Líquida
ÍNDICES DE RENTABILIDADE
RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Ano 1
Leitura: Analisar se o
PL Lucro Líquido obtido,
comparado com a
Vendas 200 rentabilidade mínima de
1000
outro investimento com
LUCRO igual taxa de risco, é
50
interessante para o
LUCRO
50
acionista
Rentab. Patrimônio Líquido = 25% >
Fórmula:Lucro Líquido / Patrimônio Líquido Melhor
COMO AVALIAR OS ÍNDICES

• Avaliação intrínsica do índice: Importa em tirar


conclusões a partir da intuição do analista, de sua
experiência anterior, etc. Aconselha-se somente
em situações em que não há índices-padrão para
comparar;
• Comparação dos índices no tempo: Mostra as
tendências seguidas pela empresa no decorrer do
tempo. É muito importante.
• Comparação com padrões: Consiste em comparar
um índice em relação a um universo de índices, e,
a partir daí, tirar conclusões a partir de parâmetros
bem definidos.
PROCESSO DE AVALIAÇÃO DOS
ÍNDICES FINANCEIROS
• Descoberta dos indicadores
• Definição do comportamento do indicador:
– Quanto maior, melhor;
– Quanto menor, melhor;
– Ponto ótimo em torno de um parâmetro
• Tabulação dos padrões;
• Escolha dos melhores indicadores e atribuição dos
respectivos pesos (Assunto que ainda demanda
muita discussão, entre a intuição do analista e
modelos matemáticos e estatísticos).
ÍNDICES PADRÃO
• Conceito: É uma técnica estatística que permite
comparar os índices da empresa em análise (objeto
de estudo), com índices de empresas congêneres
(mesmo ramo de atividade, localização, etc).
• Sequência para obtenção do índice-padrão:
– Separam-se as empresas por ramo de atividade;
– De cada empresa, dentro de um mesmo ramo, toma-se
determinado índice financeiro;
– Os índices são colocados em ordem crescente de
grandeza;
– Os índices padrão são dados pelos decis.
Seq. Valor Decil Média
1 0,8
2 0,82
3 0,89
1 0,91
4 0,93
5 1,01
6 1,05
2 1,06
7 1,07
8 1,09
9 1,11
3 1,12 2
10 1,13
11 1,14
12 1,18
4 1,19
1,5
13 1,2
14 1,21
15 1,22 1
5 1,23
16 1,24
17 1,26
18 1,3
0,5
6 1,32
19 1,34
20 1,4 0
21 1,43
7 1,45
22 1,47 0,91 1,06 1,12 1,19 1,23 1,32 1,45 1,57 1,73
23 1,5
24 1,54
8 1,57
25 1,6
26 1,66
27 1,7
9 1,73
28 1,76
29 1,8
RELATÓRIO PARCIAL DE ANÁLISE
• Conceito: É um documento, elaborado pelo
analista de Balanços, que contém as conclusões
resultantes do Processo de Análise.
ANÁLISE VERTICAL/HORIZONTAL
• Objetivo: Conhecer pormenores das demonstrações
contábeis que escapam à análise genérica
apresentada através dos índices.
• Exemplo: Se uma empresa está com alto grau de
endividamento, a análise vertical/horizontal aponta
qual o principal credor (análise vertical) e como
evoluiu a sua participação no decorrer dos anos
(análise horizontal).
• Apresentação da Análise: As análises horizontal e
vertical são apresentadas em percentuais (valores
relativos).
ANÁLISE VERTICAL/HORIZONTAL
• Análise Vertical: Apresenta o valor relativo de cada
conta da Demonstração analisada em relação a um
valor-base.
– A análise vertical do Ativo apresenta o valor relativo de
cada conta em relação ao total do Ativo.
– A análise vertical do Passivo apresenta o valor relativo de
cada conta em relação ao total do Passivo.
– A análise vertical da DRE apresenta o valor relativo de
cada conta do DRE em relação ao total da DRE.
ANÁLISE VERTICAL/HORIZONTAL
• Análise Horizontal: Baseia-se na evolução de cada conta de
uma série de demonstrações em relação à demonstração
anterior e/ou em relação a uma demonstração financeira básica,
geralmente a mais antiga da série.
– Análise Horizontal Anual – Análise efetuada em relação ao ano anterior

– Análise Horizontal Encadeada – Análise efetuada em relação a um ano-


base.

Estoques 2.890.143 1.156.058 1.926.764 2.890.143


Encadeada 100% 40% 67% 100%
Anual 100% -60% 67% 50%
ANÁLISE VERTICAL / HORIZONTAL
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
• Indicar a estrutura de Ativo e Passivo, bem como suas
modificações.
– Relação entre origem dos Recursos (Financiamentos) e suas
aplicações (Investimentos);
– É interessante analisar comparativamente:
• Crescimento dos totais de Ativo Permanente e Ativo Circulante e de
cada um dos seus principais componentes;
• Crescimento do Patrimônio Líquido comparativamente ao Passivo
Exigível a Longo Prazo
• Crescimento do Patrimônio Líquido mais Passivo Exigível a Longo
Prazo comparativamente ao crescimento do Ativo Permanente.
• Crescimento do Ativo Circulante em relação do Passivo Circulante.
• Verificação de quanto cada balanço da série contribuiu ara a variação
final obtida entre o primeiro e o último balanço.
ANÁLISE VERTICAL / HORIZONTAL
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
– Analisar em detalhes o desempenho da
empresa:
• Vertical: Analisar cada um dos componentes da
DRE em relação à um valor-base (Receita
Líquida de Vendas, por exemplo)
• Horizontal: Analisar a evolução de cada um dos
índices no decorrer do tempo