Sie sind auf Seite 1von 66

Avaliação física no

personal
Aplicações práticas
Objetivo
Saúde

Aptidão física Avaliação

Tomada de
decisão
Saúde
Saúde

Físico Educador
físico

Bem
estar

Mental Social
Saúde
Condição
humana
Dimensões

Psicológica Física Social

Educador
Aptidão Física
Aptidão física + saúde
Aptidão física pode
relacionada
ser
definida
à saúdecomo:
pode ser definida
“Capacidade do indivíduo em
como:
realizar
“Capacidade
efetivamente
de realizar
suaas
função na sociedade,
atividades do cotidianosem
com
excessiva
vigor e energia,
fadiga e com
reserva de energia
demonstrando traços
para
e
desfrutar o tempo
capacidades associadas
livre”.a um
baixo risco para o
desenvolvimento de
by Pingo ® doenças crônico-
degenerativas”.
Aptidão física + saúde
Educador Aptidão física
relacionada à
físico saúde

Funcional- Comportame
Fisiológica Morfológica
motora ntal

Flexibilidade;
Pressão
Distribuição de Força/resistênc
arterial;
gordura; ia muscular;
Glicemia;
Composição Consumo
Colesterol;
corporal. máximo de
Etc.
oxigênio.
Domínio Fisiológico
Pressão arterial
Pressão arterial
•Hipertensão:
PA: força ou pressão
elevação sangue
crônica
→e
artérias
persistente da PA
•Prognóstico
•ζ cardíacode: elasticidade
comprometimento
vasos vascular
•Atividade
PAS: sístole
física
cardíaca
regular

(aeróbio,
PAD: recuo
3-5×sem,
arterial40-60%
+ ↓PA
•Objetivo:
VO 2máx) ≈ ↓10mmHg PAS/PAD
•Possibilidade de hipertensão
arterial sistêmica
•Fator de risco independente
by Pingo ® para doença arterial
coronariana
Pressão arterial
Pressão arterial
•Notar
Local tranqüilo
quando o som
•Palpar pulso
desaparece (fase
da artéria
V) → PAD
braquial

no30aspecto
segundosantêro-medial
→ repetir a (2-3cm
acima da fossa antecubital)
mensuração
•Registrar
A borda inferior
a média doentre
manguito
as duas

2,5cm acima da fossa
leituras
antecubital
•Manômetro → centro deve estar
visível aos olhos e tubos não
devem estar obstruídos
by Pingo ®
•Estetoscópio colocado ~1cm
superior e medial à fossa
antecubital
Pressão arterial
PAS (mmHg) PAD (mmHg)
Categoria
Ótima <120 <80
Normal <130 <85
Normal limitrófe 130-139 85-89
Hipertensão
Estágio 1 (leve) 140-159 90-99
Estágio 2 (moderada)
160-179 100-109
Estágio 3 (grave) >180 >110
Sistólica isolada >140 <90
Adaptado de SBC (2002).
Obs: PAS ≠ PAD, classificar pela maior.
Glicemia & colesterol
Glicemia
Glicemia
•Tipos:
Quantidade ou concentração
de •glicose
I: insulino-dependente
no sangue
•Excesso
•II: não≈insulino-
hiperglicemia
•Manifestação de diabetes
dependente

mellitus
Gestacional
/ intolerância à

glicose
Intolerância à glicose
•Atividade
DM: doença física
sistêmica
regular ≈ ↓
crônica
risco de DM tipo II
•Dependência
Desordem metabólica
da

freqüência
Estrutura e semanal
função dos
by Pingo ®
vasos
Glicemia
Classificação Glicemia (mg/dl)

Normal <100
Limiar 101-125
Diabetes >125
Adaptado de Heyward (1997).
Colesterol
Colesterol
•Encontrado em:
•Fígado, ovos, manteiga,
camarão
•Função:
•Membrana celular,
•Precursor → hormônios
esteróides
•Excesso: hipercolesterolemia
•Indução de aterosclerose
•Associação com doença
by Pingo ®
arterial coronariana (DAC)
•↓ 1% [colesterol sérico] ≈ ↓
Colesterol
Classificação Colesterol (mg/dl)

Desejável <200
Limiar 201-239
Elevada >240
Adaptado de Heyward (1997).
Domínio Morfológico
Distribuição de gordura
•Distribuição de gordura ↔
Gordura total
•Determinação do risco
para doenças
•Impacto na saúde → gordura
visceral na cavidade
abdominal
•↑ gordura abdominal ≈ ↑
mortalidade e morbidade
•Índice aplicado:
by Pingo ®
•Relação cintura/quadril
•Índice de conicidade
Distribuição de gordura
• Mensuração de circunferências:
– Identifique cuidadosamente os locais
antropométricos para mensuração;
– Utilize uma fita métrica antropométrica
para mensurar as circunferências.
– A tensão a ser aplicada pela fita não deve
comprimir a pele ou o tecido subcutâneo.
Distribuição de gordura
•Relação cintura-quadril:
•Diagnóstico do acúmulo
de gordura
•Relação com:
•Hiperlipidemia
•Concentração de
colesterol
•Problemas
CCT
cardiovasculares
by Pingo ® RCQ =
•Morte prematura

CQD
Classificando RCQ
Moderado Muito alto
Sexo Idade Baixo Alto
0,83-0,88 0,89-0,94
Homem 20-29 <0,83 >0,94
0,84-0,91 0,92-0,96
30-39 <0,84 >0,96
0,88-0,95 0,96-1,00
40-49 <0,88 >1,00
0,90-0,96 0,97-1,02
50-59 <0,90 >1,02
0,91-0,98 0,99-1,03
60-69 <0,91 >1,03
0,71-0,77 0,78-0,82
Mulher 20-29 <0,71 >0,82
0,72-0,78 0,79-0,84
30-39 <0,72 >0,84
0,73-0,79 0,80-0,87
40-49 <0,73 >0,87
0,74-0,81 0,82-0,88
50-59 <0,74 >0,88
0,76-0,83 0,84-0,90
60-69 <0,76 >0,90
Adaptado de COSTA (2000).
Distribuição de gordura
•Circunferência da cintura:
•Diagnosticar fator de risco
cardiovascular
•Feminino: 89cm
•Masculino: 101cm

by Pingo ®
CCT
Índice de massa corporal
•Avaliar sobrepeso /
obesidade
•Avaliar desnutrição
•Relação com todas as causas
de morte
•Melhor aplicável para
população

MC
by Pingo ® IMC = 2
H
Índice de massa corporal
Classificação Classe de IMC (kg/m2)
obesidade
Baixo peso <18,5
Normal 18,5-24,9
Sobrepeso 25,0-29,9
Obesidade I 30,0-34,9
II 35,0-39,9
Obesidade mórbida III ≥40,0
Adaptado de COSTA (2000).
Composição corporal

essencial
Massa Massa

Gordura
Peso
(kg)
de gordura de gordura

Massa Massa
isenta magra
de gordura

by Pingo ®
Impedância bioelétrica
•Procedimentos:
Princípio:
Vantagem:
•Medida
Corrente
Sem necessidade
comida
tomada
de baixa
ou bebida
node
tensão
lado
passada
muita
4hs
direito
pré-teste
técnica
dopelo
corpo
corpo
•Avaliado
Impedância
Mais
Sem exercícios
confortável
emoudecúbito
resistência
12hs
e menos
pré-
ao fluxo
intrusivo
teste
dorsal
•Limpar
Água corporal
Aplicação
Urinar 30min
pele
emnopré-teste
obesos
total
localédos
•Desvantagens:

estimada
eletrodos
Sem consumo de álcool

48hs
Massa
Custo
Retirar
pré-teste
elevado
isenta
objetos
dedegordura
metal →

abundante
≠ estimativas
Sem medicação
em água
→ diurética
≠ (73%)
aparelhos
7d pré-teste
by Pingo ®
•Não
Procedimentos
avaliar mulheres
pré- que
avaliação retenção hídrica
percebem
Dobras cutâneas
•Procedimentos
Princípio:
•Todas
Relação asentre
DCs tomadas
tecido no
adiposo
lado direito
subcutâneo e

gordura
Identificar
total
e marcar
•Estimativa
pontos de reparo
da densidade

corporal
Destacar a DC 1cm acima
•Vantagens
do ponto de reparo
•Manter
Relativamente
a DC elevada
simples de
aplicar a mensuração
durante
•Fazer
Baixo leitura
custo após 2-4
by Pingo ®
•Transporte
segundos
•Desvantagens
Composição corporal
Homem Mulher
Em risco a ≤5% ≤ 8%
Abaixo da média 6-14% 9-22%
Média 15% 23%
Acima da média 16-24% 24-31%
Em risco b ≥25% ≥ 32%
Adaptado de HEYWARD & STOLARCZYK (2000).
a
Em risco para doenças e desordens associadas à má nutrição.
b
Em risco para doenças relacionadas à obesidade.
Massa corporal ideal

MIG
MCideal =
MCideal = 25 ⋅ H 2
 15 
1 − 
 100 

IMC ideal PGC ideal


Domínio Funcional-Motor
Flexibilidade
• Definição
– Mobilidade fluída ao longo do arco completo de
movimento
• Importância
– ¿↓ força muscular : ↓ flexibilidade ≈ ↑ lesão?
– Estabelecer linha de base pré-treinamento
• Medidas:
– Direta: goniômetria, flexímetro
– Indireta (linear): teste de sentar-e-alcançar,
teste de Schober
– Indireta (adimensional): flexiteste
Sentar e alcançar
modificado
• Equipamento
– Estender fita métrica
no chão
– Colocar uma faixa de
30cm de comprimento
perpendicular ao
marco de 38,1cm
• Procedimentos
– O avaliado, descalço,
coloca os calcanhares
na faixa, separados no
comprimento indicado
pela mesma
– Joelhos devem estar
estendidos
– Mãos sobrepostas
Teste de Schober
modificado

Procedimentos
– Colocar a marca de 0cm na linha média da
coluna lombar na intersecção da crista
ilíaca póstero-superior
– Colocar segunda marca a 15cm
– Realizar flexão da coluna lombar e marcar
a nova distância entre os dois pontos
Flexibilidade - Masculino
Idade 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69

Excelente >39 >40 >38 >35 >35 >33


Acima da média 34-38 34-39 33-37 29-34 28-34 25-32

Média 29-33 30-33 28-32 24-28 24-27 20-24

Abaixo da média 24-28 25-29 23-27 18-23 16-23 15-19

Ruim <23 <24 <22 <17 <15 <14


Flexibilidade - Feminino
Idade 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69

Excelente >43 >41 >41 >38 >39 >35


Acima da média 38-42 37-40 36-40 34-37 33-38 31-34

Média 34-37 33-36 32-35 30-33 30-32 27-30

Abaixo da média 29-33 28-32 27-31 25-29 25-29 23-26

Ruim <28 <27 <26 <24 <24 <22


Resistência/força
muscular
• Definição
– Força: habilidade de um grupo muscular em desenvolver
força contrátil contra uma resistência a uma velocidade
determinada
– Resistência: habilidade de um grupo muscular em exercer
força submáxima por períodos de tempo longos
• Importância:
– Níveis mínimos → realização AVDs + independencia
– Níveis adequados → ↓ risco dor lombar + ↓ risco fratura
por osteoporose
• Medidas:
– Carga máxima dinâmica + repetições máximas +
exercícios calistênicos
Carga máxima dinâmica
• Procedimentos:
– O indivíduo realiza um aquecimento com 5
a 10 repetições com 40 a 60% do máximo
percebido;
– Após 1 minuto de repouso, realiza de 3 a 5
repetições com 60 a 80% do percebido
– Acrescenta-se uma pequena quantidade
de carga e tenta-se 1RM. Se for bem
sucedido realiza-se um repouso de 3 a 5
minutos e acrescenta-se uma nova carga.
– É permitido até 4 tentativas.
Carga máxima dinâmica
Leg Rosc Desenvolvim
Gênero Supino
press a ento

Homens 1,00 2,00 0,50 0,67

Mulheres 0,70 1,40 0,35 0,47


Resistência - Repetições
• Procedimentos
– Definir a carga equivalente a 70% da CMD
– Avaliado realizar o levantamentos até
exaustão
– Verificar o maior número de repetições
executados corretamente
– ¿Avaliação das alterações?
Resistência – Abdominal
• Procedimentos:
– Deitado
– Joelhos 90º
– Mãos atrás da nuca
– Flexionar o tronco até tocar com os cotovelos
nas coxas
• Desvantagens:
– Obesos
– Sedentários
– Solicitação de outros grupamentos musculares
• Alternativa:
– Teste modificado de Robertson
Abdominal - Masculino
Idade 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69

Excelente >48 >43 >36 >31 >26 >23


Bom 42-47 37-42 31-35 26-30 22-25 17-22

Média 38-41 33-36 27-30 22-25 18-21 12-16

Regular 33-37 29-32 22-26 17-21 13-17 07-11

Ruim <32 <28 <21 <16 <12 <06


Abdominal - Feminino
Idade 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69

Excelente >42 >36 >29 >25 >19 >16


Bom 36-41 31-35 24-28 20-24 12-18 12-15

Média 32-35 25-30 20-23 15-19 05-11 04-11

Regular 27-31 21-24 15-19 07-14 03-04 02-03

Ruim <26 <20 <14 <06 <02 <01


Resistência – Flexão de
braço

Procedimentos:
– Decúbito ventral em quatro apoios;
– Braços estendidos e na linha dos ombros;
– Realizar flexão de cotovelo até tocar o
tórax no colchonete
Flexão de braço - Masculino
Idade 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69

Excelente >39 >36 >30 >22 >21 >18


Acima da média 29-38 29-35 22-29 17-21 13-20 11-17

Média 23-28 22-28 17-21 13-16 10-12 08-10

Abaixo da média 18-22 17-21 12-16 10-12 07-09 05-07

Ruim <17 <16 <11 <09 <06 <04


Flexão de braço -
Feminino
Idade 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69

Excelente >33 >30 >27 >24 >21 >17


Acima da média 25-32 21-29 20-26 15-23 11-20 12-16

Média 18-24 15-20 13-19 11-14 07-10 05-11

Abaixo da média 12-17 10-14 08-12 05-10 02-06 02-04

Ruim <11 <09 <07 <04 <01 <01


Aptidão aeróbia
• Definição
– Habilidade de realizar exercícios dinâmicos
envolvendo grandes grupos musculares em
intensidade moderada a elevada por
prolongados períodos
• Importância:
– Componente + importante da aptidão física
relacionada à saúde
– Associação entre VO2máx e HAS, DAC, DM,
hiperlipidemia e obesidade
• Medidas:
– Máxima e submáxima
– Esteira, cicloergômetro, step etc.
Equações metabólicas
Caminhada (50-100 m/min ou 3-6
km/h)
VO = 3,5 + Vel ⋅ 0,1 + Inc ⋅ Vel ⋅1,8
2

Corrida (>134 m/min ou >8 km/h)

VO2 = 3,5 + Vel ⋅ 0,2 + Inc ⋅ Vel ⋅ 0,9

Vel: velocidade (m/min), Inc:


inclinação (decimal)
Esteira – carga única
• Procedimentos:
– Aquecimento
– Estágios com  ( FCmáx − 61) 
VO2 máx = VO2 c ⋅  
duração de pelo  ( FC sm − 61) 
menos 3 minutos
Masculino
– FC alvo → 130-150
– Aplicar equações do
ACSM para cálculo do
VO2carga
 ( FCmáx − 72) 
VO2 máx = VO2 c ⋅  
 ( FC sm − 72 ) 
Feminino
Teste de banco – estágio
único
• Procedimentos:
– Banco: 40,6cm
– O avaliado deverá
VO2 máx = 111,33 − 0,42 ⋅ FCF
manter um ritmo 96
(Homens) e 88 Masculino
(mulheres)
respectivamente;
– Duração 3 minutos;
– Aferir a FC,
começando após 5s
da interrupção do VO2 máx = 111,33 − 0,42 ⋅ FCF
teste. Feminino
Corrida 12 minutos -
Cooper
• Objetivo:
– Percorrer maior distância possível em 12 minutos
– Permitido caminhar

Distância − 504
VO2 máx =
44,9
VO2máx e rendimento
Tempo na corrida de 10
VO2máx (ml/kg/min)
km (min:seg)
Menor que 39,0 53:10 ou mais
40,0 a 44,0 52:30 a 49:50
45,0 a 49,0 49:15 a 46:40
50,0 a 54,0 46:00 a 43:25
55,0 a 59,0 42:45 a 40:10
60,0 a 64,0 39:30 a 36:50
65,0 a 69,0 36:15 a 33:40
Acima de 70,0 33:00 ou menos
Classificação VO2máx
Masculino Baixa Médio Muito elevada
20-29 < 33 34 – 52 > 52
30-39 < 30 31 -48 > 48
40-49 < 26 27 – 44 > 44
50-59 < 24 25 – 42 > 42
60-69 < 22 23 – 40 > 40
Feminino Baixa Médio Muito elevada
20-29 < 30 31 -48 > 48
30-39 < 27 28 -44 > 44
40-49 <23 24 – 41 > 41
50-59 < 20 21 -37 > 37
60-69 <17 18 -34 > 34
Tomada de Decisão
Tomada de decisão
Primeira avaliação

Sim Não

Uso de tabelas Estabelecer nível de Comparação com


de classificação base para futuras resultados prévios
avaliações

Chamar atenção
para resultados
Possível uso do
negativos;
ETM
Erro típico da medida
(ETM)
•Definição: ruído ou incerteza
quanto à alteração observada
•Confiabilidade da medida
•Objetivo: classificar alteração
entre dois momentos,
facilitando:
•Interpretação da alteração
•Tomada de decisão ≈
ênfase do treino
by Pingo ®
Erro típico da medida
Voluntário Média ± S
1ª 2ª 3ª 4ª
25,6 ± 0,4
João 25,8 25,3 26 25,1

Voluntário 1ª 2ª Diferença
João 29,7 29,0 -0,7
Claudio 16,0 15,6 -0,4
Américo 45,2 43,0 -2,2
Carlos 26,9 27,3 0,4
Gilberto 19,1 17,8 -1,3
Média ± S -0,8 ± 1,1
Erro típico da medida
Voluntário Média ± S
1ª 2ª 3ª 4ª
25,6 ± 0,4
João 25,8 25,3 26 25,1
Erro típico da medida
Bibliografia
PITANGA, F. J. G. MONTEIRO, W. Personal
Epidemiologia da atividade training: manual para
física, exercício físico e avaliação e prescrição de
saúde. 2ª ed. São Paulo: condicionamento físico. 3ª
Phorte, 2004. ed. Rio de Janeiro: Sprint,
HEYWARD, V. H. Advanced 2001.
fitness assessment & KISS, M. A. P. D. Esporte e
exercise prescription. 3rd exercício: avaliação e
ed. Champaign: Human prescrição. São Paulo: Roca,
Kinetics, 1997. 2003.
MAUD, P. J.; FOSTER, C. NORTON, K.; OLDS, T.
Physiological assessment Antropométrica. Porto
of human fitness. Alegre: Artmed, 2005.
Champaign: Human Kinetics,
1995.
HEYWARD, V. H.;
STOLARCZYK, L. M. Applied
http://www.ctpnewlife.
by Pingo ®
com.br

MUITO
joao.dubas@gmail.